Export this record: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8876
Document type: Tese
Title: A história na diagonal do agora : um conceito contraeducativo para a brecha entre a catástrofe e o novo - reflexões a partir de Arendt e Gur-Ze’ev
Author: Picoli, Bruno Antonio 
Advisor: Guilherme, Alexandre Anselmo
Abstract (native): A presente tese parte da indagação sobre que conceito educativo da História pode abrir e manter aberto o Agora como oportunidade da ação refletida para aqueles que são efetivamente o novo no mundo e que por isso podem oferecer o novo ao mundo. Para tanto procurou autores que refletiram sobre a ação e o lugar desta na História e na Educação, como Benjamin, Nietzsche, Adorno, Agamben, Biesta, Gur-Ze’ev e Arendt. Em todos é comum a denúncia do velho e de suas estratégias de preservação, assim como da necessidade de fazer do Agora o tempo da ação. Nesse sentido, estabeleceu-se a distinção entre o presente e o Agora, o primeiro compreendido como o instante efêmero e o segundo como uma força diagonal que tensiona o ponto de encontro entre o passado e o futuro, o ponto em que a ação é possível. Afirma que o presente não é tomado como Agora porque o conceito da História dominante aderiu à ideia de redenção pelo progresso e está preso à lógica causal. Tal situação favorece o avanço da catástrofe e do Estado de Exceção-regra que impede a assunção da responsabilidade da ação por amor ao mundo. Propõe, então, um conceito da História aberto à contingencialidade de cada Agora pela recolocação do poder iluminador do acontecimento tomado como testemunho da profundidade do ser humano como um “Ser-capaz-de-ação”. Como faz frente à catástrofe na defesa da criação de um Estado de Exceção-efetivo aberto à incerteza dos resultados da ação, esse conceito da História é um conceito contraeducativo, ou seja, é uma postura ética e estética no mundo que não adere a nenhuma utopia, não oferece uma salvação ou redenção e é aberta para a outridade do outro e para a incerteza do novo. Assim, está organizada em quatro partes cuja ordem tem por objetivo pensar o Agora como o tempo exclusivo da oportunidade sempre incerta da ação e da inauguração, um novo conceito para a História que supere a concepção de História como Progresso, a Educação como contraeducação, e por fim, a articulação entre essas três dimensões pela proposição de um conceito contraeducativo da História provocador do Pensamento Histórico na Diagonal do Agora. A tese é a de que a criação do Estado de Exceção-efetivo, a abertura do Agora como a brecha entre o não-mais e o ainda-não, demanda a elaboração de um conceito contraeducativo da História, ou seja, da História aberta para a novidade que representa o nascimento para o mundo potente em cada ser humano através de sua ação no tempo, do poder iluminador do acontecimento. É um conceito contraeducativo da História porque não soma forças à catástrofe, não oferece um caminho ou uma redenção, não normaliza os indivíduos, não modela identidades e não sequestra do Agora as possibilidades do novo.
Abstract (english): This thesis starts from the ask on what educational concept of History can open and keep opened the Now-Time as the opportunity of reflexed action for those that are the new in the world and can offer the novelty to the world. In this sense it searches to authors that have reflected on action and its place in the History and in the Education, as Benjamin, Nietzsche, Adorno, Agamben, Biesta, Gur-Ze’ev and Arendt. In all of them is common the denounce of the old and its preservation strategies, as well as, on the necessity to make of the Now-Time as the action time. In this sense, it stablished the distinction between the present and the Now-Time, the first understood as the simple now, and, the second as a diagonal force in the point of encounter between the past and the future, the point in that the action is possible. It affirms that the present is not taking as the Now-Time because the dominant concept of History joined to the idea of redemption by the progress and it is tied in the causal logic. This situation favours the advancement of catastrophe and of the Exception-rule State that prevents the assumption of responsibility of action for the love of the world. It proposes a concept of History opened to the contingency of each Now-Time from the replacement of the event took as a testimony of the human being profundity as a “Being-able-to-action”. How this concepts faces the catastrophe in defense of the creation of an Exception-efective State opened to the uncertain of action outcomes, this concept of History is a counter-educational concept, that is, it is an ethical and aesthetical attitude in the world that does not adhere to any Utopia, it does not offer a salvation or redemption and it is opened to the uncertain of the novelty. Thus, this thesis is organized in four sections that aim to think the Now-Time as the exclusive time of the opportunity of the action and the inauguration; a new concept to the History that overcomes the conception of History as Progress; The Education as counter-education, and in the end, the articulation among this three dimensions by the proposition of a counter-educational concept of History defiant of the Historical Thinking in the Now-Time Diagonal. The thesis is that the creation of the Exception-efective State, the opening of the Now-Time as the gap between the not-more and the still-not, needs the elaboration of a counter-educational concept of History, that is, of the History opened to the novelty that is possible in every birth to the world by the potential natality in each human being through the action in the time, the illuminating power of the event. It is a concept counter-educational of History because it does not offer a way or a redemption, it does not normalize individuals, it does not model identities and it does not kidnap of the Now-Time the possibilities of the novelty.
Esta tesis empieza con la pregunta sobre qué concepto educativo de la Historia puede abrir y mantener abierto el Ahora como una oportunidad de acción refletada para aquellos que son el nuevo en el mundo y que pueden ofrecer la novedad al mundo. En este sentido, se buscó autores que han reflexionado sobre la acción y su lugar en la Historia y en la Educación. En todos ellos es común la denuncia del antiguo y sus estrategias de preservación, así como la necesidad de hacer del Ahora el tiempo de la acción. Así, se estableció la distinción entre el presente y el Ahora, el primero entendido como el momento efímero y el segundo como una fuerza diagonal en el punto de encuentro entre el pasado y el futuro, el punto en que la acción es posible. Afirma que el presente no se toma como el Ahora porque el concepto dominante de la Historia se unió a la idea de la redención por el progreso y está ligado a la lógica de la causalidad. Esta situación favorece el avance de la catástrofe y del Estado de Excepción-regla que impide que se asuma la responsabilidad de la acción por amor al mundo. Propone un concepto de Historia abierto a la contingencia de cada Ahora y del reemplazo del evento tomado como el testimonio de la profundidad del ser humano como un "Ser capaz de actuar". Cómo se enfrenta a la catástrofe en defensa de la creación de un Estado de Excepción-efectivo abierto a la incertidumbre de los resultados de acción, el concepto de Historia propuesto es, también, un concepto contra educativo, es decir, es una postura ética y estética en el mundo que no se adhiere a ninguna utopía, no ofrece una salvación o redención y está abierto a lo incierto de la novedad. Así, esta tesis está organizada en cuatro secciones que se proponen a pensar el Ahora como el tiempo exclusivo de la oportunidad siempre incierta de la acción y de la inauguración; un nuevo concepto para la historia que supera la concepción de la historia como progreso; la Educación como contra educación, y al final, la articulación entre estas tres dimensiones mediante la proposición de un concepto contra educativo de la Historia provocativo del Pensamiento Histórico en la Diagonal del Ahora. La tesis es que la creación del Estado de Excepción-efectivo, la apertura del Ahora como la brecha entre el no-más y el todavía-no, necesita la elaboración de un concepto contra-educativo de la Historia, es decir, de la historia abierta a la novedad que es posible en cada nacimiento para el mundo, a la natalidad potencial en cada ser humano a través de su acción en el tiempo, abierta también a el poder iluminador del acontecimiento. Es un concepto contra educativo de la historia porque no ofrece un camino o una redención, no normaliza a los individuos, no modela las identidades y no secuestra del Ahora las posibilidades de la novedad.
Keywords: Agora
História
Educação
Catástrofe
Novo
CNPQ Knowledge Areas: CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Institution Acronym: PUCRS
Department: Escola de Humanidades
Program: Programa de Pós-Graduação em Educação
Access type: Acesso Aberto
Fulltext access restriction: Trabalho não apresenta restrição para publicação
URI: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8876
Issue Date: 3-Sep-2019
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Educação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
BRUNO PICOLI 2019.pdfBRUNO_ANTONIO_PICOLI_TES1.85 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.