Export this record: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8617
Document type: Dissertação
Title: A guerra como regime de biopoder : um estudo em Giorgio Agamben e Antonio Negri
Author: Primo, Guilherme de Brito 
Advisor: Castro, Fábio Caprio Leite de
Abstract (native): Nosso trabalho tem por escopo analisar e problematizar a guerra e a violência através de uma abordagem filosófica apoiada na categoria do biopoder, especialmente à luz das obras de Giorgio Agamben e Antonio Negri. Por um lado, as análises de Agamben sobre o estado de exceção sustentam uma leitura do biopoder centrada numa tanatopolítica do fazer sobreviver, da produção de uma sobrevida, uma vida nua e matável, ou, em outras palavras, um poder de exposição à morte, que tem por paradigma contemporâneo os campos de concentração. Por outro, Antonio Negri observa na guerra caraterísticas ativas e produtivas, fundamentalmente ligadas aos processos de globalização e supranacionalização jurídica, que, com o alisamento do espaço imperial e a aproximação das desigualdades, normalizam um estado de guerra permanente, uma governamentalidade bélica, investindo a vida e o espaço social, em todas as suas esferas, num enredo de violência constante: uma vida murada, protegida, vigiada e securitizada. De todo modo, o que resta das duas perspectivas, o que perpassa as duas análises, é a centralidade da vida, seja através do seu investimento em dispositivos securitários, seja na sua exposição à decisão soberana, ao poder de morte. Nossa proposta de trabalho está situada neste duplo efeito que acompanha a categoria do biopoder, procurando analisá-lo e problematizá-lo: se o estado de guerra global se caracteriza, no pensamento de Antonio Negri e Giorgio Agamben enquanto um regime de biopoder, enquanto uma relação social permanente, quais são, portanto, seus efeitos? Ele produz vida, formas de vida, uma vida murada e protegida, ou, pelo contrário, está centrado numa produção da morte e da sobrevida, na exposição à morte que caracteriza a mera vida, a vida nua? Neste sentido, seria possível encontrar um terreno comum entre os dois postulados? Se esse estado de guerra global está perpassado pelas dinâmicas supranacionais, qual o papel do Estado e do poder soberano? Há uma articulação entre a ordem imperial e as políticas de exceção?
Abstract (english): Our work is aimed at analyzing and problematizing war and violence through a philosophical approach based on the category of biopower, especially through the works of Giorgio Agamben and Antonio Negri. On the one hand, Agamben's analyzes of the state of exception support a reading of biopower centered on a tanatopolitics of the making of survival, the production of a survival, a bare, nude life, or, in other words, a power of exposure to death, which has as a contemporary paradigm the concentration camps. On the other hand, Antonio Negri observes in war active and productive characteristics, fundamentally linked to the processes of globalization and juridical supranationalization, which, with the smoothing of imperial space and the approximation of inequalities, normalize a state of permanent war, a bellic governamentality, investing life and space social, in all its spheres, in a plot of constant violence: a walled life, protected, watched and securitized. At any rate, what remains of the two perspectives, which runs through both analyzes, is the centrality of life, whether through its investment in security devices, dispositifs, or in its exposure to the sovereign decision, to the power of death. Our proposal of work is situated in this double effect that accompanies the category of biopower, trying to analyze and problematize it: if the state of global war is characterized, in the thought of Antonio Negri and Giorgio Agamben as a regime of biopower, while a permanent relationship, what are their effects? Does it produce life, forms of life, a walled and protected life, or is it instead centered on the production of death and survival, the exposure to death that characterizes mere life, naked life? In this sense, would it be possible to find common ground between the two postulates? If this state of global war is permeated by supranational dynamics, what is the role of the state and sovereign power? Is there an articulation between the imperial order and the policies of exception?
Keywords: Biopoder
Guerra
Império
Estado de Exceção
Governamentalidade
CNPQ Knowledge Areas: CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Institution Acronym: PUCRS
Department: Escola de Humanidades
Program: Programa de Pós-Graduação em Filosofia
Access type: Acesso Aberto
Fulltext access restriction: Trabalho não apresenta restrição para publicação
URI: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8617
Issue Date: 27-Feb-2019
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
GUILHERME DE BRITO PRIMO - Dissertação - 30-04-2019.pdfGUILHERME_DE_BRITO_PRIMO_DIS1.52 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.