Export this record: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8060
Document type: Tese
Title: Condições e modo de vida das pessoas idosas em situação de rua
Author: Mattos, Carine Magalhães Zanchi de 
Advisor: Grossi, Patrícia Krieger
Abstract (native): As condições e modo de vida das pessoas em situação de rua merecem ser estudadas devido à complexidade de fenômenos como a transição demográfica na rua, a dificuldade de reinserção social, o desemprego estrutural, a desconstrução social e a desvalorização do indivíduo, configurando essa camada como quem vive na miséria extrema, desvinculada da produção social, e que se dedica a atividades marginais (FERNANDES; RAIZER; BRÊTAS, 2007). Este estudo irá contribuir para suprir uma lacuna na área do conhecimento, pois estudos sobre idosos em situação de rua são incipientes. Este é um estudo de natureza descritiva e abordagem qualitativa cujo objetivo geral é compreender as condições, o modo de vida e as repercussões do envelhecimento para pessoas com mais de sessenta anos de idade, que vivem em situação de rua em Porto Alegre. Foram selecionadas 19 pessoas idosas em situação de rua, por amostragem aleatória simples e fechamento amostral por saturação teórica, entrevistadas nos serviços de acolhimento da FASC e também nas ruas no período de 2015 a 2017. Foi realizada análise textual discursiva conforme proposta por Roque Moraes. A maior parte dos pesquisados têm entre 60 e 69 anos, são negros ou pardos, têm ensino fundamental incompleto, trabalham ou não têm renda, ficam nas ruas e estão nessa condição há um período entre 1 a 5 anos, em decorrência de desentendimentos familiares e difíceis condições financeiras. Declaram estar nas ruas por falta de oportunidades e acesso aos direitos fundamentais. Têm como estratégias de sobrevivência o recurso a locais movimentados, o uso dos dispositivos de acolhimento institucional, o vínculo com conhecidos que doam roupas e alimentos, o trabalho informal e, no caso das mulheres, o relacionamento com um companheiro. Para as pessoas em situação de rua, qualidade de vida é ter acesso àquilo que não possuem, como saúde, alimentação, família/cuidador/esposa e uma “pecinha” para morar. Expressam a violência estrutural e a interseccionalidade vivenciadas desde o nascimento, na negligência do Estado, na falta de acesso às políticas públicas de trabalho, educação, saúde, habitação, entre outras. Suas experiências sociais são influenciadas também por marcadores de diferença de gênero, de etnia, de território, de classe social, de condição física, entre outros. A violência institucional se expressa nos atendimentos que recebem ou pela negligência e a violência de gênero é tão comum que chega a reduzir significativamente o número de mulheres em situação de rua, de forma que procuram quaisquer outras maneiras de sobrevivência. Relatam que teriam qualidade de vida se tivessem uma outra história, com acesso aos seus direitos básicos de cidadania. Enquanto vivenciam a privação de direitos, acreditam que não há qualidade de vida, exceto a fé que os mantém. O estudo concluiu que é importante que se criem espaços para discutir essas questões a nível nacional, na academia e no âmbito das políticas públicas, dando voz para que essa população expresse suas demandas e que o Estado possa garantir os direitos básicos dessa população, ponto fundamental para promoção de um envelhecimento ativo.
Abstract (english): The conditions and way of life of street people deserve to be studied due to the complexity of phenomena such as the demographic transition in the street, the difficulty of social reintegration, structural unemployment, social deconstruction and the devaluation of Individual, setting up this layer as who lives in extreme misery, unlinked from social production, and who is dedicated to marginal activities (FERNANDES; RAIZER; BRÊTAS, 2007). This study will contribute to a gap in the area of knowledge, because studies on elderly people in the street are incipient. This is a descriptive and qualitative study whose general objective is to analyze the conditions, way of life and the repercussions of aging for people over sixty years of age who live in a street situation in Porto Alegre. Nineteen elderly people were selected on the street, by simple random sampling and theoretical closure by theoretical saturation, interviewed in the FASC reception services and also on the streets in the period from 2015 to 2017, respecting the ethical precepts of Resolution 466/12. Discursive textual analysis was performed as proposed by Roque Moraes. The majority of those surveyed are between 60 and 69 years old, are black or brown, have incomplete elementary education, work or do not have income, stay in the streets and are in this condition for a period between 1 and 5 years, due to family disagreements and difficult financial conditions. They declare being on the streets for lack of opportunities and access to fundamental rights. Survival strategies include the use of sheltered places, the use of shelter (shelter, shelter...), the link with acquaintances who donate clothes and food, informal work and, in the case of women, the relationship with a life partner. For people on the street, quality of life is having access to what they do not have, such as health, food, family / caretaker / wife and a "little house" to live in. They express the structural violence and intersectionality experienced since birth, the neglect of the State in the lack of access to a good birth, a school, followed by the experience of child labor, non-access to formal work, with gender markers for being a woman, ethnic because it is black, territory for being on the street, social for having low or no income and so on. Institutional violence is expressed in the looks and care they receive or through neglect, and gender violence is so common that it significantly reduces the number of women on the street, so they look for other ways of surviving. They report that they would have quality of life if they had another story, with access to their rights as a home, work, health, bonds, food and water. The discourses of daily suffering and violations also affect them directly. While they experience deprivation of rights, they believe that there is no quality except the faith that sustains them. The study concluded that it is important to create spaces to discuss these issues at the national level, in the academy and in the practice of public policies, guaranteeing the basic rights and giving a voice so that this population can express their reality of life, without prejudice or stigmas common to common sense. Providing fairness of basic rights for the entire population, as well as the national structural preparation to meet this new demand for street elderly, is essential for health promotion and active aging for all, including those living on the margins of society.
Keywords: Pessoas em Situação de Rua
Assistência a Idosos
Idoso
Políticas Públicas
Serviços de Saúde para Idosos
CNPQ Knowledge Areas: CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Institution Acronym: PUCRS
Department: Escola de Medicina
Program: Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica
Access type: Acesso Aberto
Fulltext access restriction: Trabalho não apresenta restrição para publicação
URI: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8060
Issue Date: 15-Dec-2017
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MATTOS_CARINE_ MAGALHÃES_ ZANCHI_ DE_TESE.pdfCARINE_MAGALHÃES_ZANCHI_DE_MATTOS_TES3.47 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.