Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8040
Tipo do documento: Tese
Título: Donas de rua, vidas lixadas : interseccionalidades e marcadores sociais nas experiências de travestis com o crime e o castigo
Autor: Ferreira, Guilherme Gomes 
Primeiro orientador: Gershenson, Beatriz
Primeiro coorientador: Vasconcelos, Pedro
Resumo: É possível observar no contexto brasileiro a relação, estabelecida para o senso comum, da categoria “travesti” com aquilo que é significado como marginal, violento, precário e criminoso. No mesmo sentido, tem ocorrido nos últimos anos um agravamento das expressões de violência a que está sujeita essa população, resultante, por um lado, do aprofundamento das desigualdades sociais e do avanço do Estado Penal como resposta à violência e à pobreza e, por outro lado, do fortalecimento do conservadorismo e da agenda política de direita. Junto à violência que expõe as travestis à morte, percebe-se a reação seletiva e repressiva do sistema penal e de justiça, que facilmente captura as travestis a partir de produções de significado sobre seus marcadores sociais, especialmente os de gênero, corpo, raça/etnia e classe social. A presente tese, assim, busca compreender como se dão as experiências sociais de criminalização das travestis, como grupo subalternizado, em relação ao duplo “crime/castigo”; quer dizer, suas experiências no chamado “mundo do crime” e a sociabilidade violenta a que estão submetidas e que as faz mais facilmente detidas pela polícia, bem como suas capturas pelas instituições de privação da liberdade. A intenção é compreender como esses marcadores funcionam para produzir a própria prisão e o sujeito preso, isto é, como contribuem para a constituição institucional e social do crime enquanto um processo social e de sujeitos e categorias de sujeitos aprisionáveis, por meio de processos de incriminação, criminalização, sujeição e seleção. Defende-se a tese de que esses marcadores sociais explicitam e especializam o processo de subalternização de determinadas classes e grupos, expresso não apenas pela dimensão da violência, da humilhação, da perda de direitos e de toda sorte de privações, como também pela dimensão da desobediência, do deboche, da luta e da resistência. A metodologia essencialmente qualitativa do trabalho compreendeu um esforço por triangular dados e informações, desde a base teórica (o materialismo histórico dialético, os estudos interseccionais e queer) até as fontes (entrevistas, documentos, documentários e reportagens jornalísticas) e as técnicas (história oral temática e observação para a coleta de dados e análise textual discursiva para o tratamento dos dados). A partir das narrativas de vida recolhidas sobre os significados produzidos pelas entrevistadas a respeito de noções como identidade de gênero, pobreza, trabalho sexual e crime, pôde-se perceber que existe um vasto campo de significações desde a enunciação da palavra “travesti” que conectam essa identidade à subalternização e à violência, constituindo aquilo que passa a ser entendido como vida precária – cujas mortes não merecem ser choradas pelo conjunto da sociedade e cuja qualidade vale menos no processo de produção e reprodução social. Já na perspectiva dos estudos críticos na área do serviço social sobre a categoria da subalternidade, constatou-se que a realidade de vida das travestis expressa a contraprova histórica desta tese, marcada pelo contrapelo que é ao mesmo tempo viver o conformismo e a resistência. Mais, e por fim, acredita-se que as teorias de gênero e sexualidade, presentes nos fundamentos de um conjunto hegemônico de movimentos sociais e acadêmicos, não têm dialogado com as classes populares e sequer produzido um recorte de classe nas suas críticas. A aposta desta tese é na produção de uma perspectiva queer materialista que dialogue de maneira ético-política, teórico-metodológica e técnico-operativa com os movimentos e demandas reais dessas populações, sinalizando para a necessidade de inverter a lógica de produção do conhecimento, ainda colonizadora e exotificadora, e trazendo as narrativas das interlocutoras para o centro.
Abstract: In the Brazilian context, it is possible to observe that, in a perspective of common sense, the category "travesti" is related to something marginal, violent, precarious, and criminal. Similarly, each day this population is more exposed to violence, a consequence, on the one hand, of a scenario of increasing social inequality and the Criminal State response towards violence and poverty and, on the other hand, of the empowerment of conservatism and rightwing political agenda. In addition to the violence that leads to travestis' deaths, we can see the selective and repressive response of the penal institution and justice system, which easily frames travestis based on productions of meaning stemming from social markers, especially gender, body, race/ethnicity, and social class. The present thesis, therefore, intends to understand how social experiences of criminalization faced by travestis, as a subaltern group, are connected to the "crime/punishment" duality: their experiences in the so-called "world of crime" and the violent socialization to which they are subjected, which makes them more easily framed by the police, in addition to their confinement byDeprivation of Liberty Institutions. The intention is to understand how these markers work to produce the prisoner and the prison itself, that is, how they contribute to the institutional and social establishment of crime as a social process towards subjects and categories of imprisonable subjects, through processes of incrimination, criminalization, subordination, and selection. We argue that these social markers emphasize and specify the process of becoming subaltern, which is expressed not only in the realm of violence, humiliation, loss of rights and all kinds of disenfranchisement, but also in the realm of disobedience, mockery, struggle and resistance.With an essentially qualitative methodology, the study encompasses an effort to triangulate data and information, from the theoretical foundation (Dialectical and Historical Materialism, intersectionality and queer studies) to sources (interviews, documents, documentaries and journalistic texts), and techniques (thematic oral history and observation for data collection, and discursive textual analysis for data handling). From the participant's life narratives collected, and the meanings theyproduced on notions such as gender identity, poverty, sex work and crime, we observe that there is a wide meaning field that is delineated from the enunciation of the word "travesti" that connects this identity to a subaltern position and violence, establishing what is understood as a precarious life: deaths that do not deserve to be grieved by the whole society, and worth that is less valuable in the process of social production and reproduction. Concerning the critical studies perspective inserted in the field of social service about subordinate relations, we observed that the reality faced by travestis expresses the historical counterevidence of the thesis, marked by the contradiction resulting from simultaneously experiencing conformism and resistance. Besides, and finally, we believe that theories of gender and sexuality, present in the foundations of a hegemonic set of social and academic movements, have not been establishing a dialogue with popular classes, or even interacting withclass perspectives in their criticisms. The thesis intends to produce a queer materialist perspective that interacts in an ethical-political, theoretical-methodological, and technical-operative way with the movements and the actual demands of these populations, highlighting the need to reverse the logic of knowledge production, which still carries a colonizer focus and an exoticism approach, and bringing to light the narratives of the interlocutors.
Palavras-chave: Travesti
Subalternidade
Interseccionalidades
Crime
Castigo
Área(s) do CNPq: CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::SERVICO SOCIAL
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Sigla da instituição: PUCRS
Departamento: Escola de Humanidades
Programa: Programa de Pós-Graduação em Serviço Social
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Restrição de acesso: Trabalho não apresenta restrição para publicação
URI: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8040
Data de defesa: 21-Mar-2018
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Serviço Social

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese - Guilherme Gomes Ferreira.pdfGUILHERME_GOMES_FERREIRA_TES3,55 MBAdobe PDFThumbnail

Baixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.