Export this record: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7595
Document type: Tese
Title: Limites ao compartilhamento de prova no processo penal
Author: Flores, Marcelo Marcante 
Advisor: Lopes Junior, Aury Celso Lima
Abstract (native): O presente trabalho tem o objetivo de discutir os limites ao compartilhamento de provas no processo penal, tendo como perspectiva de análise o indivíduo enquanto sujeito de direitos e não mero objeto da investigação, sobretudo considerando o incremento dos novos meios de obtenção de prova que propiciam uma substancial alteração na forma como devemos encarar a investigação preliminar e a produção da prova sob o crivo do contraditório. No contexto do processo penal brasileiro, o entendimento dos Tribunais Superiores não enfrenta a temática do compartilhamento de provas com a profundidade necessária, razão pela qual esse tem sido admitido de forma ilimitada e irrestrita. Com isso, na práxis forense tem se verificado o compartilhamento de provas entre processos penais ou mesmo entre o processo penal e um processo de natureza distinta, sem observância das proibições de prova estabelecidas pela legislação constitucional e infraconstitucional. A problemática do compartilhamento de provas deve observar que a introdução dos novos meios de obtenção de prova acarreta uma (re)discussão da sua teoria geral e de seus princípios norteadores. As proibições de prova devem ser respeitadas, não se podendo admitir a usurpação desses parâmetros por uma via transversa (o compartilhamento das provas), quando se verificar violação aos direitos fundamentais do sujeito de direitos. O estudo da temática também perpassa a valoração dos conhecimentos fortuitos, ou seja, quando e diante de quais circunstâncias a informação obtida em uma investigação criminal pode ser utilizada (compartilhada) com outro processo também de natureza penal. Contudo, a discussão sobre o compartilhamento de provas não se restringe aos conhecimentos fortuitos, pois abarca outras situações. Assim, a discussão doutrinária sobre a prova emprestada também assume grande importância como ponto de partida para definição de alguns standards mínimos. Entretanto, deve-se observar que as categorias jurídicas discutidas no âmbito da prova emprestada não fornecem subsídios suficientes para delimitar as situações em que a prova é obtida pelos métodos invasivos aos direitos fundamentais, sendo necessário avançar nesse aspecto a partir de legislação comparada e da discussão principiológica estabelecida. A construção desses standards mínimos para delimitar as hipóteses nas quais será (ou não) admitido o compartilhamento, tem como pauta o tratamento do indivíduo como sujeito de direitos e não mero objeto da investigação, de modo a estabelecer um norte para a valoração judicial das situações concretas verificadas no processo penal brasileiro.
Abstract (english): The present study aims to discuss the limits for the evidence sharing in criminal action, focusing on the individual while subject of rights and not a mere object of investigation as the perspective for the analysis. Especially regarding the increment in the new ways of obtaining evidence, which provide a substantial change in the way one should look at the preliminary investigation and the production of the evidence under the contradictory scrutiny. In the Brazilian criminal action context, the understanding of the Superior Courts does not face the issue of evidence sharing with the necessary depth, which is why it has been admitted in an unlimited and unrestricted way. Thus, forensic praxis has been seeing the evidence sharing procedure - between criminal actions or even between criminal process and inaction of a different nature - without following the evidence prohibitions established by constitutional and infraconstitutional legislation. The evidence sharing discussion should observe that the introduction of new ways of obtaining evidence entails a (re)discussion on its general theory and its guiding principles. Evidence prohibition must be respected, and usurping these parameters by transversal routes (the sharing of evidence) cannot be allowed when there is violation of the subject’s fundamental rights. The study of the subject also passes through the valuation of fortuitous knowledge, which means, when and under what circumstances the information obtained in a criminal investigation can be used (shared) with another process of criminal nature as well. However, the discussion about sharing evidence is not restricted to fortuitous knowledge, once it covers other situations. Thus, the doctrinal discussion about the borrowed evidence also takes over great importance, as it is a starting point for the definition of some minimum standards. Nevertheless, one should observe that the legal categories discussed in the scope of the borrowed evidence do not provide enough subsidies to delimit the situations in which evidence is obtained by invasive methods in relation to fundamental rights, it is necessary to go further in this aspect from the comparative legislation and the established principles discussion. The construction of these minimum standards to delimit the hypotheses in which sharing shall happen (or not) has as basis the treatment of the individual as a subject of rights and not merely the object of the investigation, in order to establish a direction for the judicial valuation for the Brazilian criminal proceedings situations.
Questo lavoro si propone di discutere i limiti alle prove condivisione nei procedimenti penali, in prospettiva analitica dell’individuo come soggetto di diritti e non mero oggetto di ricerca, soprattutto se si considera l'aumento di nuovi mezzi di raccolta delle prove che forniscono una sostanziale cambiamento nel nostro modo di affrontare l'istruttoria e la produzione di elementi di prova sotto il controllo del contraddittorio. Nel contesto della procedura penale brasiliana, la comprensione delle Corti Superiori non affronta la questione della condivisione di prove con la profondità necessaria, che è il motivo per cui questo è stato permesso modo illimitato e senza restrizioni. Così, nella prassi forense ha controllato le prove condivisione tra procedimento penale o anche tra procedimento penale e un processo di diversa natura, senza rispettare i divieti di prova stabiliti dalla normativa costituzionale e infra-costituzionale. La questione della condivisione delle prove dovrebbe notare che l'introduzione di nuovi mezzi di ottenere prove conduce ad una (ri) discussione della sua teoria generale e dei suoi principi guida. I divieti di prova devono essere rispettate, non essendo in grado di ammettere il furto di questi parametri per un percorso trasversale (di condividere la prova), si è stabilito violazione dei diritti fondamentali del titolare dei diritti. L'oggetto di studio permea anche la valutazione delle conoscenze casuali, cioè, quando e quali circostanze prima che le informazioni ottenute nell'ambito di un'indagine penale può essere utilizzato (in comune) con un altro processo anche criminale. Tuttavia, la discussione di condivisione delle prove non si limita alla conoscenza casuale, dato che copre altre situazioni. Così, la discussione dottrinale circa la prova in prestito anche di grande importanza come punto di partenza per la definizione di alcuni standarts minimi. Tuttavia, va notato che le categorie legali riportate nella prova in prestito non fornisce sufficienti informazioni per definire i casi in cui le prove è ottenuta con metodi invasivi ai diritti fondamentali, è necessario compiere progressi in questo senso dal confronto e discussione la legislazione di principio stabilito. La costruzione di questi standarts minimi per definire le situazioni in cui sarà (o non) ha ammesso la condivisione, dovrebbe trattare l'individuo come soggetto di diritti e non mero oggetto di ricerca, per stabilire un percorso per la valutazione giudiziaria delle situazioni concreta verificato nel procedimento penale brasiliano.
Keywords: Compartilhamento de Provas
Teoria Geral da Prova
Proibições de Prova
Conhecimento Fortuito
Direitos Fundamentais
CNPQ Knowledge Areas: CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITO
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Institution Acronym: PUCRS
Department: Escola de Direito
Program: Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais
Access type: Acesso Aberto
Fulltext access restriction: Trabalho será publicado como artigo ou livro
Time to release fulltext: 60 meses
Date to release fulltext: 28/07/2022
URI: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7595
Issue Date: 18-May-2017
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TES_MARCELO_MARCANTE_FLORES_CONFIDENCIAL.pdfTES_MARCELO_MARCANTE_FLORES221.55 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.