Export this record: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7465
Document type: Tese
Title: Avaliação da utilização de Cateter Central de Inserção Periférica (PICC) para nutrição parenteral : estudo randomizado
Author: Oliveira, Cristine Ruviaro de 
Advisor: Fiori, Humberto Holmer
Abstract (native): Introdução: O cateter central de inserção periférica (PICC) tem representado um imperativo na sobrevivência de recém-nascidos cada vez menores, por tornar possível a administração de nutrição parenteral (NP) e soluções concentradas em acesso profundo, por meio de um procedimento a beira do leito. Apesar de existir a recomendação de utilização de acesso exclusivo para infusão de NP, na perspectiva que as propriedades desta sejam preservadas evitando a interação com as demais soluções intra-venosas (IV), isso nem sempre ocorre na prática diária, devido a pouca disponibilidade de cateteres duplo lúmen neonatais e também pelo desconhecimento nesta área do conhecimento. Deste modo este estudo tem como objetivo principal comparar as taxas de infecção em recém-nascidos internados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) associadas ao uso de PICC mono lúmen, em relação ao duplo lúmen, sendo este último, uma via exclusiva para infusão de NP. Além disso, pretende: comparar a frequência dos germes isolados, a ocorrência de demais complicações, o tempo de permanência do PICC para a infusão de NP; determinar a frequência da necessidade de acessos periféricos (veno-punções além do PICC), e o tipo de complicação associada ao uso de cateter periférico, em relação ao PICC, nos recém-nascidos (RN) que utilizaram o cateter mono lúmen, em relação ao duplo lúmen. Metodologia: Trata-se de um ensaio clínico randomizado, comparativo, tendo como cenário de estudo a UTIN de um hospital universitário do interior do Estado do Rio Grande do Sul. Os sujeitos da pesquisa foram os RNs internados na UTIN que utilizaram PICC para infusão de NP e demais infusões IV no período de julho de 2014 a maio de 2016. Foram incluídos os RN da referida UTIN com prescrição de NP e indicação da inserção de PICC. Foram excluídos os RN que no momento da inserção do PICC tinham diagnóstico de sepse clínica ou laboratorial (critérios da ANVISA-2010), e/ou escore hematológico > 3; os RN nos quais o PICC não estava em localização central; RN com permanência de cateter umbilical; check-list do procedimento de inserção do PICC com pontuação inferior a 10 e aqueles em que não se obteve o consentimento dos pais ou responsáveis para a participação no estudo. As variáveis contínuas foram expressas como média e desvio padrão ou mediana e intervalo interquartil, e as categóricas em frequência absoluta e relativa. Foram utilizados os testes estatísticos: teste t-Student, teste de Mann-Whitney, Qui-quadrado e teste exato de Fisher. Para controle de fatores confundidores, a análise de Regressão de Poisson foi aplicada. Todos os testes foram considerados bidirecionais e as diferenças foram consideradas significativas com p < 0,05. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) e registrado no site para registro de ensaios clínicos – REBEC. Resultados: Foram incluídos 156 RNs: 78 no grupo mono-lúmen e 78 no duplo-lúmen. Os RNs permaneceram cerca de 8 dias com nutrição parenteral (NP) e utilizaram o PICC por aproximadamente 10 dias nos grupos. Quase metade da amostra apresentou alguma complicação, sendo a suspeita de infecção a mais frequente. Houve um predomínio significativo de rompimento (p=0,001) e uma redução no índice de obstrução (0,008) no cateter mono-lúmen, quando comparado ao duplo. No grupo duplo-lúmen, houve uma retirada significativamente maior do cateter devido a suspeita de infecção somente por piora clínica, em comparação ao mono-lúmen. O germe mais frequente encontrado nas culturas foi o Staphylococcus Epidermidis. Cerca de 30% dos RNs apresentaram infecção clínica ou laboratorial relacionado ao cateter, apresentando como sintomas clínicos: hipoatividade ou letargia, seguido de desconforto respiratório e instabilidade hemodinâmica. Mesmo utilizando o PICC, muitos RNs necessitaram de cateter venoso periférico (CVP) concomitante, sendo essa necessidade maior no grupo mono-lúmen. Aproximadamente 75% da amostra que utilizou CVP apresentou complicações, sendo o edema, seguido da obstrução do cateter as mais frequentes. O baixo peso, a idade gestacional corrigida no momento da inserção do cateter e a necessidade do 2º PICC foram associados significativamente com a infecção comprovada. Conclusão: Conclui-se que não houve diferença quanto a ocorrência de infecção com o uso de cateter mono-lúmen ou duplo-lúmen, no período neonatal. Estes achados contrariam a hipótese de que os índices de infecção seriam menores infundindo a NP em via exclusiva.
Abstract (english): Introduction: The central peripheral insertion catheter (PICC) has been an imperative in the survival of smaller and smaller newborns, since it makes possible the administration of parenteral nutrition (NP) and concentrated solutions in deep access, through a border procedure Of the bed. Although there is a recommendation to use exclusive access for infusion of NP, in the perspective that its properties are preserved avoiding interaction with other intravenous (IV) solutions, this does not always occur in daily practice, due to the low availability of Neonatal double lumen catheters and also by the lack of knowledge in this area of knowledge. Thus, this study has as main objective to compare infection rates in infants hospitalized in a Neonatal Intensive Care Unit (NICU) associated to the use of mono-lumen PICC in relation to the double lumen, the latter being an exclusive route for infusion Of NP. In addition, it intends to: compare the frequency of the isolated germs, the occurrence of other complications, the time of permanence of the PICC for the infusion of NP; To determine the frequency of the need for peripheral accesses (veno-punctures in addition to the PICC), and the type of complication associated with the use of a peripheral catheter in relation to PICC in newborns (NB) using the mono-lumen catheter To the double lumen. Methodology: This was a randomized, comparative study with a NICU of a university hospital in the interior of the State of Rio Grande do Sul as the study scenario. Subjects of the study were NB interns who used PICC for infusion of NP and other IV infusions from July 2014 to May 2016. NBs from said NICU with NP prescription and indication of PICC insertion were included. NBs that at the time of insertion of the PICC were diagnosed with clinical or laboratory sepsis (ANVISA-2010 criteria) and / or hematological score> 3 were excluded; Those infants in whom the PICC was not centrally located; RN with permanence of umbilical catheter; Check-list of the PICC insertion procedure with a score lower than 10 and those in which the consent of the parents or guardians to participate in the study was not obtained. Continuous variables were expressed as mean and standard deviation or median and interquartile range, and the categorical variables were in absolute and relative frequency. Statistical tests were used: Student's t-test, Mann-Whitney test, Chi-square test and Fisher's exact test. For control of confounding factors, the Poisson Regression analysis was applied. All tests were considered bidirectional and the differences were considered significant with p <0.05. The study was approved by the Research Ethics Committee (CEP) and registered at the REBEC clinical trial registration site. Results: We included 156 RNs: 78 in the mono-lumen group and 78 in the double-lumen group. The RNs remained for about 8 days with parenteral nutrition (NP) and used the PICC for approximately 10 days in the groups. Almost half of the sample presented some complication, being the suspicion of infection more frequent. There was a significant predominance of disruption (p = 0.001) and a reduction in obstruction rate (0.008) in the mono-lumen catheter, when compared to double. In the double-lumen group, there was a significantly greater withdrawal of the catheter due to suspected infection only due to clinical worsening compared to the mono-lumen. The most frequent germ found in the cultures was Staphylococcus Epidermidis. Approximately 30% of the newborns presented clinical or laboratorial infection related to the catheter, presenting as clinical symptoms: hypoactivity or lethargy, followed by respiratory discomfort and hemodynamic instability. Even using PICC, many RNs required concomitant peripheral venous catheter (CVP), and this need is greater in the mono-lumen group. Approximately 75% of the sample that used CVP presented complications, being the edema, followed by the catheter obstruction the most frequent. The low weight, corrected gestational age at the time of catheter insertion and the need for the 2nd PICC were significantly associated with the proven infection. Conclusion: It was concluded that there was no difference regarding the occurrence of infection with the use of a mono-lumen or double-lumen catheter in the neonatal period. These findings contradict the hypothesis that infection rates would be lower by infusing NP in an exclusive pathway.
Keywords: Cateterismo
Infecção
Recém-Nascido
CNPQ Knowledge Areas: CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Institution Acronym: PUCRS
Department: Escola de Medicina
Program: Programa de Pós-Graduação em Medicina/Pediatria e Saúde da Criança
Access type: Acesso Aberto
Fulltext access restriction: Trabalho não apresenta restrição para publicação
URI: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7465
Issue Date: 3-Mar-2017
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Pediatria e Saúde da Criança

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TES_CRISTINE_RUVIARO_DE_OLIVEIRA_PARCIAL.pdfTexto Parcial3.89 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.