Export this record: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7448
Document type: Tese
Title: The ontological structure of collective action
Other Titles: Estrutura ontológica de ações coletivas
Author: Cichoski, Luiz Paulo da Cas 
Advisor: Müller, Felipe de Matos
Abstract (native): When we talk about collective entities, action is the most common kind of ascription. We regularly say things such as “China suspends all coal imports from North Korea”; “Uber is investigating harassment claims by ex-employee”; “Supreme Court considers case of a shot fired in U.S. that killed a teenager in Mexico”; “Malaysia recalls ambassador to North Korea”; “SpaceX launches rocket from NASA’s historic moon pad.” Are those ascriptions true? For sure, they could all be metaphoric. We could take collective entities as agents just as a way of speaking. In this work, I argue in favor of a realist position regarding collective entities and their status of agent; rendering some of these sentences true. Recently, many philosophers are addressing this topic, but the discussion tends to be guided by the problem of collective intentionality, the problem of how collective entities can have mental states. My work tries to bring more elements of philosophy of action to the investigation of collective action. I take as a guide the problem of action individuation, because this topic addresses questions of central importance for collective action. Especially the question of aggregate actions, actions that are composed of other actions, which seems to be the paradigmatic case of collective action, insofar as they are presumably composed of individuals’ actions. The problem of action individuation leads us to two central concepts on the nature of action: basic action and intention. In this work, I will show how an investigation on basic action can help us locate the place of individuals’ contributions in collective action and how an investigation on intention can locate a fundamental element of action that is irreducible and distinctively collective in collective action cases. After exploring these two core concepts, I provide a definition of action that take seriously the place of intention as a guide to identify when an event constitutes an action.
Abstract (english): Quando nós falamos sobre entidades coletivas, ação é o tipo de atribuição mais comum. Nós rotineiramente falamos coisas tais como: “China suspende todas as importações de carvão da Coreia do Norte”; “Uber está investigando acusações de assédio feitas por ex-funcionário”; “A Suprema Corte estuda o caso de um tiro disparado nos E.U.A. que matou um adolescente no México”; “Malásia retira embaixador na Coreia do Norte”; “SpaceX lança foguete a partir da histórica ‘plataforma da lua’ da NASA.”. São essas atribuições verdadeiras? Com certeza todas elas poderiam ser meramente metafóricas. Nós poderíamos tomar entidades coletivas como agentes somente como uma maneira de falar. Neste trabalho, eu argumento em favor de uma posição realista a respeito de entidades coletivas e seu status de agente; tornando algumas dessas sentenças verdadeiras. Ultimamente, muitos filósofos têm abordado esse tópico, mas a discussão tende a ser guiada pelo problema da intencionalidade coletiva, o problema de como entidades coletivas podem possuir estados mentais. Meu trabalho tenta trazer mais elementos da filosofia da ação para a investigação de ações coletivas. Eu tomo como guia o problema da individuação da ação, porque esse tópico aborda questões de central importância para ações coletivas. Especialmente a questão das ações agregadas: ações que são compostas de outras ações, que parecem ser os casos paradigmáticos de ações coletivas, na medida em que ações coletivas são, presumivelmente, compostas de ações individuais. O problema da individuação da ação nos leva a dois conceitos centrais da natureza da ação: ação básica e intenção. Neste trabalho, eu mostrarei como uma investigação sobre ação básica pode nos ajudar a localizar o lugar das contribuições individuais em ações coletivas e como uma investigação sobre intenção pode localizar um elemento fundamental da ação que é irredutível e distintivamente coletivo nos casos de ações coletivas. Depois de explorar esses dois conceitos centrais, eu ofereço uma definição de ação que leva a sério o lugar da intenção como guia para identificar quando um evento constitui uma ação.
Keywords: Collective Action
Collective Intentionality
Philosophy of Action
Individuation of Action
Basic Action
Intention
Ação Coletiva
Intencionalidade Coletiva
Filosofia da Ação
Individuação da Ação
Ação Básica
Intenção
CNPQ Knowledge Areas: CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
Language: eng
Country: Brasil
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Institution Acronym: PUCRS
Department: Escola de Humanidades
Program: Programa de Pós-Graduação em Filosofia
Access type: Acesso Aberto
URI: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7448
Issue Date: 16-Mar-2017
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TES_LUIZ_PAULO_DA_CAS_CICHOSKI_COMPLETO.pdfTexto Completo1.72 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.