Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/2595
Tipo do documento: Tese
Título: Lazer para o idoso ativo como fator de qualidade de vida no processo de envelhecimento
Autor: Brandão, Juliana da Silva 
Primeiro orientador: Stobäus, Claus Dieter
Resumo: O envelhecimento faz parte do processo contínuo da vida. Porém, envelhecer com qualidade e ativamente está atrelado a fatores intrínsecos e extrínsecos da cultura do indivíduo, sendo uma destas contribuições o lazer. Com base neste entendimento, este estudo objetivou diagnosticar a importância atribuída ao lazer como fator de qualidade de vida no processo de envelhecimento, pelos idosos ativos acima de 60 anos do Médio Vale do Itajaí, SC, Brasil. Classificado como quanti-quali, exploratório descritivo e transversal, este estudo envolveu uma amostra de 1.300 idosos ativos de ambos os gêneros das 14 cidades da Região do Médio Vale do Itajaí, SC, Brasil. A amostra foi composta por 61% de mulheres e 39% de homens, cujas idades variaram de 60 a 95 anos, com média de 68,9 anos e desvio padrão de 6,7 anos. Quanto aos dados sociodemográficos dos idosos participantes da pesquisa, os resultados obtidos foram: 42,8% são casados, e 43,3%, viúvos, sendo que 37,1% moram com o cônjuge e 30,7% com os filhos; 37% recebem apenas um salário mínimo; para 72,6%, o processo da aposentadoria ocorreu por vontade própria, tendo como justificativa, para 27,9%, o tempo de serviço e, para 24,8%, a idade; para 27,6 %, a situação financeira melhorou após a aposentadoria, enquanto 63,1% relataram que nada piorou.No que se refere às questões investigativas sobre o lazer, os resultados apontaram que: a) para 15% dos participantes da pesquisa, o lazer é uma diversão/entretenimento e, para 24%, o lazer contribui para a saúde/relaxar; b) 12% associam significado do lazer ao viver melhor/longevidade; 98% consideram o lazer necessário para sua vida; e 84%, imprescindível; c) dos seis conteúdos culturais do lazer manuais, intelectuais, sociais, físico-esportivos, artísticos e turísticos os sociais constituíram 32,1% das atividades de lazer praticadas pelos idosos e os físico-esportivos, 24%. Um novo conteúdo cultural de lazer foi mencionado atividades de envolvimento espiritual por 2,2% dos idosos. Outros resultados constatados foram: para 96,3% dos idosos, a prática do lazer acontece por vontade própria, sendo que, para 24%, o lazer provoca uma sensação de bem-estar; 85,4% possuem uma atividade de lazer rotineira: 22% realizam caminhada e 14%, atividade física geral; para 93% dos idosos, as oportunidades de lazer tornaram-se ampliadas após a aposentadoria e 51% atribuem isto ao tempo livre; 84,7 dos idosos manifestaram vontade de praticar alguma atividade de lazer: viajar foi apontada por 32%; 61% dos idosos envolvidos na pesquisa conseguem envolver os familiares nos momentos de lazer, e 43% possuem o hábito de se reunirem com os amigos às vezes, sendo a dança/bailes a atividade mais praticada em grupo por 14% dos idosos. Os quatro domínios de qualidade de vida avaliados no WHOQOL-Bref tiveram resultados semelhantes entre si, destacando a cidade de Rio dos Cedros, com a média de 27,2% e desvio padrão 7,1, abaixo das outras cidades do Médio Vale do Itajaí.Em relação ao WHOQOL-OLD, a cidade de Apiúna ficou, no domínio funcionamento sensório, abaixo da média, com 67,2, e desvio padrão de 16,4. No domínio autonomia e atividades passadas, presentes e futuras, as 14 cidades obtiveram resultados parecidos. No domínio participação social, novamente a cidade de Apiúna ficou abaixo, com 69,4 de média, e 14,4 de desvio padrão, bem como no domínio morte e morrer, com 40,6 de média e 16,6 de desvio padrão. No último domínio, intimidade, a cidade de Timbó, entre as 14 cidades participantes da pesquisa, destacou-se, com 93,1 de média e 7,9 de desvio padrão. Este estudo permitiu concluir que: a) as cidades do Médio Vale do Itajaí, SC, Brasil, devem investir nas ofertas de atividades de lazer para os idosos a fim de proporcionarem uma gama de atividades para que estes não limitem a sua visão sobre a prática; b) experiências que permitam desenvolver atitudes críticas e criativas contribuem para que o lazer realmente seja considerado pelos idosos uma prática de satisfação e prazer individual, na mesma medida em que esclareça que o lazer vai além do mero entretenimento e diversão; e c) o lazer é também um dos meios de socialização, de saúde e de qualidade de vida dos indivíduos nessa fase da vida.
Palavras-chave: GERONTOLOGIA SOCIAL
GERIATRIA
IDOSOS
ENVELHECIMENTO
IDOSOS - LAZER E RECREAÇÃO
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Sigla da instituição: PUCRS
Departamento: Instituto de Geriatria e Gerontologia
Programa: Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica
Citação: BRANDÃO, Juliana da Silva. Lazer para o idoso ativo como fator de qualidade de vida no processo de envelhecimento. 2009. 191 f. Tese (Doutorado em Gerontologia Biomédica) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/2595
Data de defesa: 31-Mar-2009
Aparece nas coleções:Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
412871.pdfTexto Completo1,51 MBAdobe PDFThumbnail

Baixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.