Export this record: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/2006
Document type: Tese
Title: O sândi em italiano na frase fonológica reestruturada
Author: Hogetop, Denise Nauderer
Advisor: Bisol, Leda
Abstract (native): Este estudo apresenta uma análise do sândi em italiano em fronteira de palavras. Segundo Bisol (1996a, 1996b, 2003), o sândi é um processo de ressilabação, que ocorre na juntura de dois itens lexicais, motivado pelo choque de núcleos silábicos. Do apagamento de uma das sílabas resultam elementos flutuantes que, ao serem licenciados prosodicamente, geram fenômenos de sândi: degeminação, elisão e ditongação. Os aspectos a serem analisados são o papel do acento principal da frase fonológica e o papel da morfologia no processo. Em italiano, a ditongação, a elisão e a degeminação ocorrem livremente, quando duas vogais são átonas; no entanto, se a segunda vogal for portadora de acento principal, a elisão e a degeminação são bloqueadas. Frases bloqueadas, se reestruturadas pelo acréscimo de uma palavra, sobre a qual recai o acento principal, ficam liberadas para a aplicação da regra. No entanto, outro obstáculo existe no italiano, pois a primeira vogal da sequência VV pode ser morfema de plural, o qual tende a ser preservado. Esta pesquisa limita-se ao contexto de fronteira de palavras lexicais dentro da frase fonológica, considerando a sua possível reestruturação. Em língua italiana, os fenômenos de sândi foram objeto de estudos de Nespor (1987, 1990, 1993) e Nespor e Vogel (1982, 1986), na perspectiva da teoria prosódica e de Garrapa (2006, 2007) na perspectiva da OT. No português brasileiro, os fenômenos de sândi foram estudados por Sousa da Silveira (1971), Bisol (1996a, 1996b, 2003), Tenani (2002), entre outros. Este trabalho fundamenta-se nos princípios da Teoria Prosódica e da Teoria da Otimidade. A primeira define especificamente o domínio da frase fonologia e a segunda provê um conjunto de restrições, entre as quais, as de fidelidade que controlam a relação entre input e output e as de marcação que se referem à boa formação do output. Para dar conta desses resultados, valemo-nos da restrição conjunta proposta por Bisol (2003) para o português brasileiro, responsável por controlar o sândi vocálico em limite de palavras, em que V2 é portadora de acento frasal e, para controlar o papel da morfologia dos plurais do italiano propomos uma hierarquia na qual a restrição MaxMorphPl ocupa um lugar alto no ranqueamento. Argumentamos que a interação entre restrições fonológicas e morfológicas é responsável pelo mapeamento dos resultados no italiano.
Keywords: LINGUÍSTICA ITALIANA
LINGUÍSTICA PORTUGUESA
FONOLOGIA
MORFOLOGIA
PROSÓDIA
CNPQ Knowledge Areas: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS
Language: por
Country: BR
Publisher: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Institution Acronym: PUCRS
Department: Faculdade de Letras
Program: Programa de Pós-Graduação em Letras
Citation: HOGETOP, Denise Nauderer. O sândi em italiano na frase fonológica reestruturada. 2011. 213 f. Tese (Doutorado em Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.
Access type: Acesso Aberto
URI: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/2006
Issue Date: 6-Jan-2011
Appears in Collections:Programa de Pós-Graduação em Letras

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
431557.pdfTexto Completo1.33 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.